Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Livro 'Pontes de Mudança: Sociedades Sustentáveis e Solidárias' disponível online

Quinta-feira, 14.06.12

Por ocasião da Conferência Rio+20 e da Cúpula dos Povos (que reúne as organizações não governamentais e está aberta a todos), 20 anos após a primeira Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, a Eco 92, a Quercus torna disponível online gratuitamente, com o projeto PANTOS, o livro "Pontes de Mudança: Sociedades Sustentáveis e Solidárias", obra que estará acessível para leitura, durante estes dias, em http://pantosecirandas.blogspot.pt.

Ligando as bases da ecologia dos sistemas de Eugene Odum (autor que tornou familiar a noção e a própria palavra ecossistema e uma das mais influentes figuras da História da Ecologia do século XX) às modernas perspetivas sistémicas, a obra retoma a noção de Sociedades Sustentáveis, prévia à noção (e na sua origem) de Desenvolvimento Sustentável, consagrada na Eco 92.

Num diálogo entre os autores, em torno das atuais questões sociais (e concretamente das presentes realidades de pobreza) e ambientais (e concretamente dos caminhos trilhados pós Eco-92), de desconstrução dos mitos da presente globalização, de abordagem de apostas globais e locais, apontando pontes entre teorias e práticas em essencial diversidade, o livro defende a noção de Sociedades Sustentáveis e Solidárias.

Um diálogo aberto a novas cirandas! O PANTOS e a Quercus juntam-se assim aos presentes movimentos que têm vindo a disponibilizar informação, investigação e obras para todos, em torno e por ocasião do Rio+20.

Autoria e outros dados (tags, etc)

tags:

publicado por Quercus às 22:11

Um dia pouco produtivo… e sem Plano B à vista

Quinta-feira, 14.06.12

Já se gastou o primeiro de três dias da parte preparatória final da conferência Rio+20. Houve vários encontros, três deles mais prioritários dedicados à economia verde, à componente institucional do desenvolvimento sustentável e ainda um sobre a implementação das medidas resultantes da conferência e que quinta-feira se prolongam. Por outro lado, os denominados temas críticos tiveram também discussões associadas aos conteúdos presentes no texto a ser proposto para aprovação na conferência, apesar de mais curtas: emprego verde, oceanos, químicos, cidades sustentáveis e inovação, entre outros.

No final de um dia que recebeu logo pela manhã, numa zona adjacente de exposições, o Parque dos Atletas, a visita da Presidente Dilma Rousseff que inaugurou o pavilhão do Brasil, os resumos dos progressos eram muito tímidos e os habituais culpados eram apontados como estando a bloquear as negociações – por exemplo, a Arábia Saudita no caso da energia.

O principal problema é que o Brasil não quer ver repetido o final que a Conferência sobre Alterações Climáticas que se realizou em Copenhaga acabou por ter – meses de discussão de um mega documento em relação ao qual havia inúmeras divergências entre países, com um documento entretanto lançado e que teve o sim de alguns países, mas que não viria a ser aprovado pelo plenário. Não havendo assim um plano B, uma das possibilidades é apostar nos pontos que estão consensualizados – o problema é que são poucos, não chegando a 25% dos parágrafos do total do documento final “O Futuro que Nós Queremos”, são pouco ambiciosos, e além disso, não resolvem áreas que são teoricamente determinantes, como a aceitação do princípio das responsabilidades comuns mas diferenciadas, que obriga a diferentes graus de empenho em função do desenvolvimento de cada país, e tem países com contra a sua aceitação.

Até sexta-feira, os negociadores-chefe são da Coreia do Sul e de Antígua e Barbados, havendo depois um vazio enquanto decorrem os chamados "diálogos do Rio", para os especialistas e a sociedade se pronunciarem diretamente sobre as áreas mais críticas, e depois de 20 a 22 de Junho temos a conferência já com os chefes de Estado e de governo presentes, assumindo o Brasil a condução dos trabalhos. Não tendo sido feito um exaustivo trabalho de casa para ultrapassar muitas das discordâncias, não é fácil ultrapassar os dilemas existentes, pelo que o Brasil formal ou informalmente, tem, no limite a partir de sábado, dia 16, de começar a investir todas as suas energias na finalização de um documento credível.

Apesar dos balanços, da avaliação, de um olhar qualitativo sobre o futuro, é vital que os princípios e objetivos para um mundo mais sustentável sejam implementados rapidamente, de forma a transformar a Rio+20 numa conferência de partida, que olhou e de forma satisfatória para o passado da ECO/92, mas que tem de traçar um futuro com muito menos impactes ambientais, principalmente os de natureza irreversível. Só assim se justificam os investimentos avultados de reunir os decisores em reuniões desta natureza.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Quercus às 03:53





calendário

Junho 2012

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930

21 de Junho: Apresentação de Documentário e Debate

Documentário





subscrever feeds